As vendas de carros eléctricos cresceram 135% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo de 2016

As vendas de carros eléctricos cresceram 135% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo de 2016

As vendas de carros eléctricos cresceram 135% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo de 2016. Entre Janeiro e Março foram vendidas 369 unidades no total. No espaço de três meses foram vendidos quase metade dos carros eléctricos comercializados em 2016, num total de 756 unidades.

O Renault Zoe foi o campeão de vendas no primeiro trimestre, com 182 veículos vendidos, num crescimento superior a 1.900%. Seguiu-se o Nissan Leaf com vendas de 113 unidades (mais 28%).

A fechar o pódio ficou o BMW I3 com 46 unidades vendidas (menos 4% do que há um ano), segundo os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).  Seguiu-se o Kia Soul (seis unidades) o Volkswagen Up (três), o Volkswagen Golf (duas) e o Hyundai Ioniq (uma). Também a registar um aumento nas vendas estão os híbridos eléctricos (mais  27,4%) e os híbridos não eléctricos (mais 104%).

Mas porque é que as vendas de carros eléctricos em Portugal dispararam? O cheque de 2.250 euros dado pelo Estado na compra de carro amigo do ambiente é uma das razões para a subida, aponta a Associação de Utilizadores de Veículo Eléctrico (UVE).
Apesar do atraso inicial na atribuição do cheque, o processo teve início em meados de Fevereiro. Este cheque está disponível para os primeiros mil carros eléctricos vendidos em Portugal este ano.A evolução da rede de carregamento na via pública é o factor principal para este crescimento das vendas, aponta a UVE.
“Até há pouco tempo a rede não permitia a confiança que hoje transmite. Eu sei de pessoas que compram carro eléctrico porque já têm confiança para viajar”, disse ao Negócios o presidente da UVE, Henrique Sanchéz.Actualmente existem mais de 500 postos de carregamento em Portugal, correspondendo a 1.250 tomadas.À medida que a rede vai sendo concluída, os carregamentos vão deixar de ser gratuitos e passam a ser pagos.

“Até ao final do primeiro semestre vai ter início o pagamento nos postos de carregamento rápido. Nos postos de carregamento normal, a utilização começará a ser paga a partir do final do ano”, anunciou em Março o presidente da Mobi.e, Alexandre Videira, a entidade gestora da rede.

Além dos postos de carregamento normal, também estão a ser instalados mais de 50 postos de carga rápida em cidades e auto-estradas pelo país fora. Até ao momento estão instalados um total de 35 postos de carregamento rápido, de Norte a Sul de Portugal, segundo um levantamento feito pela UVE.

 

Fonte: Jornal de Negocios